Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Como funciona bem

13.08.15

A construção da imagem de um líder politico é feita através de gestos e plavras simples. De percepção fácil. Que ficam na nossa memória, mesmo que seja por pouco tempo. Mas fica algo, nem que seja uma impressão. Se tiver algum afecto ou emotividade, melhor.
Uma das técnicas para fazer esta avaliação é ver as imagens na tv e desligar o som. Tente perceber o que fica, que impressão lhe causa.
Se quem está a ver estas imagens se sentir descomprometido (não sente que é propaganda, publicidade ou qualquer outra mensagem que remeta para objectivos dissimulados) o efeito pode ser amplificado.

Estas observações surgem a propósito de uma reportagem numa tv. Esta noite. no principal bloco informativo da TVI.
Coloco já dois pontos prévios: não há qualquer intenção de criticar o órgão de comunicação social/jornalista (é um trabalho que não me merece qualquer crítica, muito menos suspeita), nem o facto do líder do PSD estar acompanhado da sua mulher em fase de tratamento de um cancro. Repito: não tem nada a ver com os dois aspectos atrás referidos. Mais, até considero mutio positivo o comportamento da mulher de Passos Coelho ao surgir em público com as marcas do tratamento clínico. É um relevante contributo para acabar com o estigma de uma doença que afecta milhares de portugueses e que, com frequência, os próprios jornalistas ajudaram a estigmatizar quando diziam que "a pesssoa x morreu de doença prolongada".

Vamos apenas ao que importa:
Um casal passeia na rua. De mãos dadas. Ela com sinais frágeis de saúde, ele com ar informal, de calça de ganga, camisola de fora das calças. Sorriem. Algumas pessoas passam ao lado. Uns cumprimentam. O cumprimento é retribuído. Outros são indiferentes. Normal.
Passos Coelho fica rodeado de pessoas. Fala com alguns jovens sobre a temperatura da água do mar. Um pouco atrás uma mulher aproxima-se de Laura. Falam com cortesia.
Mais à frente nova abordagem na rua. Agora por outro casal. Conversa em tom informal, de conhecidos que se encontram fortuitamente.
Nova sequência de imagens, plano mais afastado, o casal segue o seu caminho, no meio de uma rua, com calma. Um casal comum. De férias, como muitos outros portugueses.
Pelo meio há depoimentos de Passos Coelho à TVI. Não importa o que ele diz. Muito provavelmente, minutos depois ninguém se lembrará das palavras proferidas. Mas, para muitos, ficaram na memória as imagens de uma casal comum a passear numa rua do Algarve. Um casal de mãos dadas. Que sorri apesar dos contratempos das nossas vidas.

Qualquer assessor de imagem não faria melhor. Repito: não quero sequer insinuar que exista qualquer intenção (das duas partes - jornalista e Passos Coelho) de construirem uma excelente peça de comunicação política.
Mas que o é, é. Tem um efeito brutal na "humanização" da imagem de Passos Coelho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:48




Pesquisar

Pesquisar no Blog  



Arquivos

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D